AIPA

Por amor deixou 56 anos de vida no Brasil

Por amor deixou 56 anos de vida no Brasil

Nasceu no interior do Rio Grande Sul, Brasil, viveu na cidade de Porto Alegre e em setembro de 2011 mudou-se para a ilha de São Miguel. Lúcia Helena Santos tem 60 anos e é a prova de que não há idade para se emigrar.

No Brasil era assistente social, mas por amor deixou o seu trabalho e 56 anos de vida em terras brasileiras. “Conheci um açoriano via internet, ficamos amigos e passados 9 meses vim conhecer a sua família. Voltei para o Brasil e no fim de 3 meses voltei para casar e cá fiquei”, conta. Acrescenta que um ano mais tarde foi buscar dois netos que ainda vivem consigo.

Nunca tinha ouvido falar nos Açores e, por isso, revela que no início não foi fácil a adaptação à ilha. “Quando chegamos encantamo-nos com a beleza, mas depois começamos a sentir falta daquela agitação do Brasil”, explica. Porém, segundo Lúcia, as coisas mudam e surge o outro processo de integração: aquele em que se “cai na realidade e sente-se como eu agora com aquela sensação de que não quero mais sair daqui”, frisa.

Apesar de integrada, esta imigrante brasileira conta que ainda sente “muita falta” dos filhos e netos e, sobretudo, do trabalho. “Reformei-me do estado brasileiro com a esperança de chegar aqui e fazer alguma coisa”, diz. Mas, admite que a crise não está a ajudar, “o desemprego é elevado e também aqui não dão trabalho a uma pessoa com 60 anos”.

Sobre os açorianos diz que é um “povo diferenciado”. “O brasileiro é mais aberto e acolhedor. Já o açoriano é mais fechado e desconfiado, mas depois que nos conhece ele abre a sua porta”, refere. Acrescenta também que ainda há um pouco de preconceito na forma como muitos açorianos veem a mulher brasileira. 

Aos 57 anos, Lúcia Santos começou uma vida do zero. “Deixei o Brasil e comecei a engatinhar agora”. Valeu a pena? “Sim, porque o meu marido acompanha-me passo a passo e também porque gosto muito de viver aqui”, responde.

 

“A emigração não é uma aventura”, frisa. Para esta brasileira, emigrar significa que estamos muito conscientes do passo que vamos dar na nossa vida. “Tem que estar tudo muito bem planeado e ter bem lá no seu íntimo que é isto que quer para si”, conclui.  

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter