AIPA

Adora a ilha e não pensa em regressar

Adora a ilha e não pensa em regressar

Nome: Tatiana Ferdosova Correia

 Idade: 31 anos

País: Letónia

Formação Académica: Psicóloga

Lema de Vida: "Seguir sempre em frente"

Passatempo Favorito: Cuidar dos meus filhos

Tatiana Ferdosova nasceu na Letónia e vive nos Açores há 7 anos.

Como foi a sua vinda para os Açores? A minha vinda para cá foi espontânea. Saí da Letónia e, em princípio, vinha para São Miguel de férias. No entanto, gostei da ilha e acabei por ficar cá a residir.

No início sentiu algumas dificuldades de adaptação? Eu não senti muitas dificuldades, nem com a língua. A minha integração foi muito fácil, porque adorei a ilha. Quando cheguei cá e conheci São Miguel, achei que os cinco elementos estavam cá, o ideal que tanto queria.

Tem três filhos. Nasceram todos cá? Não. A mais velha que, tem 12 anos, nasceu na Letónia e está cá há um ano.

E ela integrou-se bem à ilha? Sim, a minha filha é uma miúda muito social e aberta e, por isso, a sua adaptação não foi difícil. Também gostou da ilha, da escola e dos colegas.

O que pensa da cultura açoriana? Os Açores têm uma cultura diferente e muito rica. Existem algumas tradições que não se encontram em mais alguma parte do mundo, como por exemplo, as festas do Santo Cristo.

Sente que os Açores são muito diferentes do seu país? Em termos de desenvolvimento da educação e de alguns serviços tem algumas diferenças.

Do que é que sente mais saudades da sua terra?

Eu tenho ido visitar a minha terra natal mas, sinto sempre saudades, sobretudo, dos meus pais, amigos e de alguma comida que aqui não se encontra, como é o caso do pão preto.

Disse-nos que estudou Psicologia. Encontrou emprego aqui na sua área?

Não encontrei, nem quero encontrar emprego na área que estudei. Tudo nesta vida tem início, meio e o fim e já me desenvolvi neste ramo como eu queria. Também tive uma fase complicada na minha vida que me impossibilitou de ajudar as pessoas, pois tinha de me ajudar a mim própria. Como é que uma pessoa com problemas poderia ajudar a resolver os problemas dos outros? Assim, acabei por desistir de Psicologia e hoje não tenho remorsos por isso.

E o que faz actualmente? Neste momento, eu estou a trabalhar como empregada de mesa num restaurante italiano e estou a gostar. É mais uma cultura que há nos Açores (a italiana) e é muito enriquecedor para ilha e para mim pessoalmente.

 Pensa um dia regressar à Letónia? Eu adoro o meu país, tem uma cultura muito desenvolvida e rica mas, por enquanto, não penso voltar. É verdade que por vezes passamos por situações na vida e pensamos logo em ir embora. No entanto, eu sinto-me bem aqui, gosto da ilha e cá tenho tudo o que eu quero.

Rumos Cruzados de 21 de Abril de 2011.

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter