AIPA

62% dos europeus sentem que problema ainda existe

Cerca de 62 por cento dos europeus consideram que ainda existe discriminação nas sociedades da União Europeia (UE), uma tendência que as autoridades querem inverter sensibilizando os cidadãos com iniciativas como "Os Dias da Diversidade", a decorrerem em Lisboa. "Os Dias da Diversidade" decorrem em Portugal de hoje a domingo, no Centro Colombo, e apresentam a qualquer visitante a possibilidade de experimentar as dificuldades sentidas por pessoas portadoras de deficiência, através de actividades como jogar pingue-pongue numa cadeira de rodas, pintar de olhos vendados ou com a boca. Esta é apenas uma das vertentes do desafio proposto, uma vez que no mesmo local estão representadas várias entidades cujo trabalho incide na luta pelo respeito pela diversidade, seja de raças, etnias, religiões, sexo ou orientação sexual. "Trata-se de uma iniciativa europeia em que se apela aos cidadãos para viverem com a diversidade e a respeitarem", disse à agência Lusa a chefe da representação da Comissão Europeia em Portugal, Margarida Marques, durante o evento. O ponto de partida da campanha é o artigo 13 do Tratado da União Europeia, que "obriga quer a UE quer os Estados-membros a respeitar o princípio de não discriminação das pessoas em função das crenças, da raça, das etnias, do sexo ou da orientação sexual", explicou. Além da legislação comunitária e nacional, é também fundamental que as sociedades, os cidadãos no seu quotidiano, "respeitem a diversidade", frisou. Segundo Margarida Marques, têm vindo a ser alcançados "progressos significativos" e a base legal ajuda, mas a luta tem de continuar. Dados do Eurobarómetro, um inquérito que a Comissão Europeia realiza duas vezes por ano para perceber as atitudes, os sentimentos e as expectativas dos cidadãos relativamente à UE, indicam que 62 por cento dos europeus entendem que ainda existe discriminação no espaço comunitário europeu, referiu. Margarida Marques sublinhou a "imensa diversidade" de organizações em Portugal que trabalham nesta problemática e que estão representadas na iniciativa em Lisboa, como organizações não governamentais (ONG), as centrais sindicais (UGT e CGTP) e serviços da administração pública. Têm representação nos "Dias da Diversidade" o Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, o Instituto da Segurança Social, a Confederação Nacional dos Organismos de Deficientes e a Autoridade para as Condições de Trabalho, entre outras instituições que trabalham com públicos diversos nesta área, exemplificou. Alfredo Neves, um dos cidadãos que passou pelo espaço e decidiu experimentar um jogo de pingue-pongue numa cadeira de rodas e desenhar de olhos vendados, confessou a dificuldade sentida e defendeu a importância da iniciativa para "ajudar as pessoas que mais necessitam".

Publicado: Sexta, 16 Outubro, 2009

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter