AIPA

ONU pede fim das barreiras à imigração

PARIS, França — O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) lançou nesta segunda-feira um apelo em favor da imigração que, assim que a recessão acabar, será útil aos países ricos, apesar da oposição da opinião pública. Em um relatório chamado "Suspender as barreiras: mobilidade e desenvolvimento humanos", a agência da ONU espera mudar as ideias distorcidas sobre a imigração. "Assim que a recessão acabar, a demanda de mão de obra do emigrante vai voltar a crescer", escreveu a responsável do relatório, Jeni Klugman. "A recessão representa justamente uma ocasião para avançar nos debates e nas reformas sobre as políticas de migração", acrescentou. "A hora não é de protecionismo antiimigrantes, mas de reformas que promovam vantagens a longo prazo", continuou, reconhecendo que "convencer a opinião pública de um comprometimento demanda disposição". O PNUD tenta demonstrar que os fluxos migratórios beneficiam, muitas vezes, os migrantes, os países de origem e os países receptores. "O relatório não defende uma liberalização a todo custo porque a população do país de destinação tem o direito de modelar sua sociedade, mas sustenta que será mais judicioso aumentar o acesso aos setores que têm forte demanda de mão de obra, e inclusive para os empregados pouco qualificados", explicou o Pnud, lembrando o envelhecimento da população de inúmeros países industrializados. Para combater os clichês da imigração, o relatório destaca que os habitantes dos países pobres são os menos móveis: por exemplo, "menos de 1% dos africanos emigra para a Europa". Entre os migrantes internacionais, estimados em 188 milhões em 2010, ou seja, 2,8% da população mundial (74,1 milhões em 1960, ou seja 2,7%), menos de 30% vão de um país em desenvolvimento para um país industrializado. "Contrariamente o que é geralmente admitido, os migrantes desenvolvem a atividade econômica e dão mais do que recebem", ressaltaram os autores do relatório. Para facilitar a imigração, o Pnud previu uma série de reformas. Ele pede principalmente a "abertura das vias de acesso existentes a mais trabalhadores, principalmente os menos qualificados, garantia do respeito dos direitos humanos fundamentais dos migrantes, principalmente o acesso aos serviços de educação e de saúde assim como direito de voto".

Publicado: Tera, 06 Outubro, 2009

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter