AIPA

Casa do Brasil reage ao manchete do Correio da Manhã

A Casa do Brasil considera que o artigo que deu a manchete de hoje ao Correio da Manhã é totalmente irresponsável e constitui, na prática, um violento ataque à comunidade brasileira que vive e trabalha em Portugal. 19/9/2008 O artigo afirma que se organizou em Portugal, supostamente em Setúbal, uma réplica de uma organização criminosa brasileira, que teria adoptado o nome de Primeiro Comando de Portugal. Seria formada por jovens de Setúbal, que se dedicariam ao crime, andariam bem vestidos, exibiriam na Internet as armas de que dispõem, e já teriam um hino em rap. Mas o artigo apenas cita como base da informação um site na Internet e um filme no Youtube. Ambos não estão disponíveis actualmente – se já estiveram, foram retirados da rede. Exista ou não tal site, todos sabemos que qualquer pessoa, mesmo sem conhecimentos informáticos, pode hoje fazer um site, abrir um blogue e pôr um filme no Youtube. Brincadeiras de maus gosto há muitas. Aliás, procurando bem na Internet, encontra-se referência a um Primeiro Comando Português, com sede em São Paulo, que se trata de um grupo de jovens... apoiantes da Portuguesa de Desportos, clube de futebol da divisão principal do futebol paulista. Razão tem o senhor secretário-geral do Gabinete Coordenador de Segurança que considerou a notícia fruto de «imaginação fértil». A existir uma organização como essa, será por brincadeira, diz o general Leonel de Carvalho, para quem “comparar a situação em Portugal com o que se vive nas favelas das grandes cidades brasileiras não tem hipóteses de semelhança”. A Casa do Brasil insiste que as estatísticas demonstram que a criminalidade violenta é proporcionalmente menor entre as comunidades imigrantes do que na sociedade portuguesa, e que os imigrantes que procuram Portugal para viver são, na sua esmagadora maioria, trabalhadores sérios e honestos que vêm ganhar a sua vida noutro país, tal como antes (e ainda agora) muitos portugueses fizeram e fazem. Artigos como o do Correio da Manhã, que substituem a investigação rigorosa pelo sensacionalismo barato, são gravemente atentatórios às comunidades imigrantes, pelo potencial de reacções xenófobas que podem provocar.

Publicado: Sbado, 20 Setembro, 2008

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter