AIPA

Comissário europeu propõe 4 medidas contra imigração ilegal

O comissário europeu de Liberdade, Segurança e Justiça, Franco Frattini (foto), propôs nesta quinta-feira a ministros de países da União Européia (UE) quatro formas de melhorar a vigilância das costas marítimas do sul da Europa e pediu um reforço financeiro para ajudar a agência européia de fronteiras. "A pressão da imigração ilegal sobre os Estados-membros da UE situados na região do Mediterrâneo atingiu um nível sem precedente e pede uma ação imediata", afirmou Frattini na abertura do encontro com ministros do Interior e Justiça dos países de bloco, evento que acontece em Tampere, no sul da Finlândia, até sexta-feira. No curto prazo, o italiano pretende que os 25 países da UE contribuam com o envio de especialistas em identificação de imigrantes, tradução e tarefas congêneres, aos países mais envolvidos com a imigração ilegal: Espanha, Itália e Malta. Em um segundo momento, Frattini quer que a nova agência de fronteiras da UE (Frontex), com sede em Varsóvia, na Polônia, também atue no Mediterrâneo. Além disso, Frattini defende a criação de uma rede de vigilância marítima européia. A terceira e a quarta sugestões se referem a recursoso para atacar o problema. Frattini pediu um reforço do orçamento para a agência de fronteiras, que para 2007 foi fixado em 21 milhões de euros (R$ 59 milhões) e a possibilidade de, em situações de emergência, usar mais facilmente a verba dos fundos europeus para as fronteiras externas, de cerca de 1,8 bilhão de euros (R$ 5 bilhões) para 2007-2013. Participação O comissário aproveitou a oportunidade para solicitar uma participação mais ativa dos países da UE na Frontex. Atualmente, apenas quatro países (Espanha, Portugal, Itália e Finlândia) participam das patrulhas marítimas na região das ilhas Canárias, onde 25 mil clandestinos subsaarianos já chegaram desde o começo do ano. Por outro lado, o presidente da Comissão Européia, o português José Manuel Durão Barroso, afirmou numa entrevista ao canal de televisão Euronews, transmitida nesta quinta-feira, que o problema da imigração ilegal não se resolverá com medidas de segurança. Para Durão Barroso, a solução só será alcançada com "o desenvolvimento a longo prazo dos países de origem dessa imigração".

Publicado: Sexta, 22 Setembro, 2006

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter