AIPA

Presidente de Cabo Verde pede uma boa gestão da imigração

O Presidente cabo-verdiano, Pedro Pires, defendeu em Lisboa, no dia 12 de Setembro, que a imigração ilegal, que afecta Cabo Verde como um país de trânsito, deve ser bem gerida, dada a impossibilidade de se eliminar este fenómeno. Após um encontro com o Presidente português no Palácio de Belém, Pedro Pires defendeu a necessidade de criar um quadro legal adequado para que a imigração não aconteça de forma desordenada. Segundo o chefe de Estado cabo-verdiano, a imigração ilegal é um fenómeno sério e complexo que precisa de ser bem gerido, dado que afecta tanto os países de origem como de destino. Cabo Verde funciona como placa giratória de imigrantes da África subsaariana que tentam chegar de barco ao norte do continente para depois atravessarem para a Europa, maioritariamente através de Espanha e de Itália. Face ao elevado fluxo de imigrantes ilegais, Espanha pediu a ajuda da União Europeia (UE) para combater este problema e Portugal fez um pedido, que foi aceite, junto da Agência Europeia de Gestão de Fronteiras Externas (Frontex) para que o programa de apoio a Espanha seja alargado a Cabo Verde. Além disso, Portugal disponibilizou uma corveta para ajudar as autoridades cabo-verdianas a vigiarem a sua zona marítima. Pedro Pires encontrou-se ainda com o ex-Presidente português Mário Soares, que, juntamente com Adriano Moreira, lançou em 2005 uma petição para a plena adesão de Cabo Verde à UE. Cabo Verde pretende obter um estatuto especial junto da UE, mas o pedido formal ainda não foi entregue em Bruxelas.

Publicado: Quarta, 13 Setembro, 2006

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter