AIPA

Imigração: Brasil procura métodos para gerir fluxos migratórios

No primeiro dia do Seminário Luso-Brasileiro sobre tráfico de pessoas e imigração ilegal, o Governo brasileiro reconheceu precisar de ajuda para controlar as redes que trazem milhares para a Europa. Em Lisboa, as autoridades brasileiras deixaram claro que estão a lidar com fenómenos novos, para os quais não estão ainda bem preparadas. Na procura de soluções para um problema que é comum, o Brasil revela duas diferenças face a Portugal. Desde logo, o facto do elevado número de saídas ser um fenómeno novo, para um país que historicamente viveu de entradas, quase sempre estimuladas pelo próprio Governo. Foi assim com os portugueses, com os alemães e até com os japoneses. Por outro, os fluxos migratórios fazem-se em sentido contrário, situação para a qual o Brasil não está preparado, confessa Isaura Miranda - secretária de justiça brasileira. O Brasil precisa da experiência portuguesa para gerir os movimentos criminosos que levam milhares de brasileiros a cruzar o Atlântico, mas também precisam que Portugal entenda outra coisa: que no Brasil não existe imigração ilegal. Em Portugal, a comunidade brasileira é já a maior das estrangeira, com 80 mil cidadãos legalizados e muitos outros milhares ilegais.

Publicado: Tera, 23 Maio, 2006

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter