AIPA

Na União Europeia já somos 508,2 milhões graças à imigração

Texto: Jornal de Negócios | Foto: Direitos Reservados 

Portugal registou 7,9 novos bebés por 1.000 habitantes, em 2014, um desempenho que só foi pior na Itália, Grécia e Alemanha. Segundo o Eurostat, a população da União Europeia aumentou de 506,9 milhões para 508,2 milhões, mas em grande parte graças à imigração.

O Eurostat, o organismo oficial de estatísticas da União Europeia, divulgou esta sexta-feira, 10 de Julho, dados sobre a população dos estados membros, a anteccipat o dia Mundial da População, que se assinalou a 11 de Julho. Em Janeiro deste ano, eram 508,2 milhões de pessoas, contra os 506,9 milhões de Janeiro de 2014. Um aumento, diz o Eurostat, impulsionado sobretudo pela imigração.

Durante 2015 nasceram 5,1 milhões de bebés na União Europeia, mais 33.000 que no ano anterior. Uma boa notícia, não se desse o facto de Portugal ter sido dos países onde a subida menos se fez sentir. Por cá nasceram 7,9 bebés por cada 1.000 habitantes enquanto que na Irlanda, que regista o valor mais alto, foram 14,4. A média da UE foi de 10,1 bebés por 1.000 residentes.

Só Itália (8,3 bebés por 1.000 habitantes), Grécia (8,5) e Alemanha (8,6) tiveram piores desempenhos do que os portugueses.

Já em relação ao número de mortos, registaram-se 4,9 milhões no ano passado, menos, portanto, do que o número de nascimentos, de 5,1 milhões. Chipre, com 6,2 mortes por 1.000 habitantes, Irlanda, com 6,4 e Luxemburgo, com 6,9, foram os países com menos mortes em 2014. No lado oposto da tabela aparecem a Bulgária (15,1), Letónia, Lituânia, Hungria, Roménia e Croácia. Ao nível da UE, a média foi de 9,7 óbitos por 1.000 habitantes.

Em Portugal contabilizaram-se 10,1 mortes por 1.000 habitantes, com o País a perder população, uma vez que o número de nascimentos foi inferior, de 7,9 bebés por mil habitantes.

A Alemanha continua a ser o país da UE com mais população. Os alemães representam 16% do total de habitantes dos países membros, seguida da França, com 13,1% e do Reino Unido, com 12,9%. Itália, com 12% e Espanha, com 9,1% ocupam os lugares seguintes. Os portugueses são 2% do total.

Publicado: Segunda, 13 Julho, 2015

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter