AIPA

Pais do Leste exigem mais do que africanos

Segundo uma notcia publicada hoje no Dirio de Notcias, "Os pais africanos entregam a educao dos filhos aos professores e sentem-se insatisfeitos por estes no lhes ensinarem as regras bsicas. Os pais da Europa de Leste confiam na escola para transmitir conhecimento e pedem mais exigncia. Mas para agradar a uns e a outros, a organizao do ensino portugus teria que mudar, defendem os autores de um estudo sobre as famlias imigrantes e a escola. As escolas portuguesas so cada vez mais multiculturais, mas mantm os mesmos contedos programticos. Uma realidade que ilustrada no livro "Cooperao Famlia-Escola, Estudo de situaes de famlias imigrantes na sua relao com a escola", editado pelo Alto Comissariado para a Imigrao e Minorias tnicas (ACIME) e que ser apresentado hoje numa das escolas estudadas, a Pedro d'Orey da Cunha, na Damaia (Amadora), pelo ex-ministro da Educao Maral Grilo. Trata-se de um trabalho "exploratrio" e que inicia a nova coleco do ACI- ME "Estudos e prticas". Os autores entrevistaram pais, professores e responsveis de trs escolas, escolhidas por terem grande diversidade cultural e boas prticas de integrao dos alunos e suas famlias: a Escola Bsica do 1. Ciclo n.1 (Lisboa), a Pedro d'Orey da Cunha e a Escola Bsica EB2,3 de Castanheiros (Caneas). Aqui, os encarregados de educao acompanham os estudos dos filhos, com algumas excepes e que se devem " situao laboral", "s condies de habitao" e " adaptao as regras sociais". O estudo identifica dois grupos de imigrantes - os oriundos de pases africanos e da Europa de Leste. "Os pais de origem africana, particularmente cabo-verdiana, tendem a encarar a escola como lugar de educao, relativizando o papel da famlia na transmisso de regras bsicas, e sentem-se insatisfeitos porque a escola no responde integralmente", refere o estudo. Estes progenitores tm menor grau de escolaridade que os de Leste e so tambm menos crticos. "Os oriundos da Europa de Leste tm expectativas muito elevadas em relao aprendizagem acadmica, aos contedos programticos e s exigncias de trabalho que a escola promove." Tm um maior grau de escolaridade que os outros imigrantes e admiram-se com a relao de proximidade aluno-professor. Dizem que estudaram com uma maior disciplina, exigncia e ritmo de trabalho. Mudanas Os professores salientam que as diferentes expectativas, ritmos e culturas criam algumas dificuldades na aprendizagem, "que podem ser ultrapassadas com a ajuda de um corpo docente mais estvel e com preparao mais adequada". Os autores do estudo concordam, mas vo mais longe. Propem uma maior flexibilidade do ensino, nomeadamente a diluio da carga burocrtica educativa e a adaptao dos horrios e currculos escolares s necessidades dos alunos. "No assim to difcil garantir uma maior estabilidade dos professores e fazer horrios diferenciados. H outras coisas previstas na legislao, como a valorizao do conhecimento das famlias e a realizao de parcerias com a comunidade. S precisam de ser dinamizadas", argumenta D. Tomaz Silva Nunes, bispo auxiliar de Lisboa e coordenador do estudo. Uma grande paleta de nacionalidades no ensino portugus No ano lectivo 2003/2004 estavam inscritos no ensino portugus 81 470 alunos de nacionalidades e etnias diferentes da portuguesa, segundo dados do Ministrio da Educao. Os angolanos, cabo-verdianos, ciganos e brasileiros so os mais representativos, mas nos ltimos anos h mais ucranianos, moldavos, romenos, chineses e paquistaneses a entrar no sistema educativo. Um exemplo dessa diversidade a Escola Bsica n. 1, a primria mais antiga de Lisboa e que se situa na freguesia da Pena. A populao residente divide-se entre idosos e imigrantes, existindo bolsas de pobreza. uma zona de servios e comrcio, sendo este desenvolvido por indianos e chineses. No ano lectivo de 2004/2005 estavam inscritos 148 alunos, 8,7% estavam institucionalizados e 33,1% dos quais oriundos das seguintes nacionalidades: Angola, Bangladesh, Brasil, China, Guin, ndia, Moldvia, Nepal, Paquisto, Repblica Checa e Ucrnia." Cu Neves Dirio de Notcias

Publicado: Segunda, 27 Maro, 2006

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter