AIPA

Guterres sugere à UE "soluções" para reduzir mortes no Mediterrâneo

Texto: Portugal Digital | Foto: Direitos Reservados 

Segundo a Agência da ONU para Refugiados (Acnur), desde o início do ano, 470 pessoas morreram ou desapareceram tentando a travessia do Mediterrâneo, rumo à Europa. No mesmo período de 2014, foram registradas 15 mortes.

O Alto Comissário da ONU para Refugiados, o ex-primeiro-ministro português António Guterres, enviou uma carta à União Europeia com uma série de propostas sobre refugiados e migrantes que arriscam a vida tentando alcançar a Europa.

Guterres está propondo aos países do bloco "soluções" para os desafios das migrações no Mar Mediterrâneo e para diminuir o número de pessoas que perdem suas vidas.

Segundo a agência da ONU para Refugiados (Acnur), desde o início do ano, 470 pessoas morreram ou desapareceram tentando a travessia pelo mar, rumo à Europa. No mesmo período de 2014, foram registradas 15 mortes.

As propostas de Guterres incluem o estabelecimento, pela Europa, de "uma operação robusta de busca e de resgate, similar à Mare Nostrum, implementada pela Itália até o ano passado.

Outra ideia é que as empresas de navios que ajudam no resgate dos migrantes recebam uma compensação. O alto comissário pede à União Europeia que explore soluções para os refugiados que conseguem fazer a travessia e chegar ao continente, fornecendo apoio adequado a essas pessoas.

Alemanha e Suécia são os países que mais recebem pedidos de asilo, por isso Guterres quer mais solidariedade entre as nações europeias para combater o desequilíbrio. A carta sugere ainda mais apoio à Itália e à Grécia e propõe um projeto piloto para que refugiados sírios resgatados por esses dois países sejam encaminhados a outras nações.

Com o conflito na Síria completando quatro anos, o Acnur considera "imperativo" aumentar os meios legais de entrada de refugiados sírios na Europa.

 

É feito um apelo aos países europeus por maior compromisso em aumentar as oportunidades de admissão dos migrantes, para que as pessoas possam chegar ao continente sem passar pelas mãos de traficantes ou de movimentos irregulares.

Publicado: Sexta, 13 Maro, 2015

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter