AIPA

Futuro de Portugal ’dependerá da qualidade da emigração’, diz Belmiro de Azevedo

O presidente não executivo do grupo Sonae, Belmiro de Azevedo, afirmou ontem, em Paris, que o futuro de Portugal «dependerá da qualidade da emigração» e da capacidade do país de «reconquistar» e «valorizar os emigrantes». «Portugal deve reforçar as relações com as comunidades emigrantes na Europa e no mundo», defendeu Belmiro de Azevedo, que falava, hoje à noite, para algumas dezenas de pessoas, no final de um jantar organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Franco-Portuguesa. Sem essa «comunhão» e sem esse «reforço de identidade», argumentou, Portugal acabará por «enfraquecer o sentimento e o orgulho de ser português e, uma vez anulada a ligação afectiva [entre os emigrantes e a sua terra], o país perderá um extraordinário potencial humano de que pode dispor». «O nosso futuro como país dependerá da qualidade da nossa emigração, [da] capacidade de reconquistar os nossos emigrantes, de valorizá-los. Porque eles são, muito frequentemente, os melhores, os mais experimentados, e [têm] uma visão global do mundo, que os distingue dos que não conheceram senão o lugar onde vivem», acrescentou. Belmiro de Azevedo considerou ainda que o país precisa de ter «ambição para inovar, disposição para assumir riscos e vontade de ser excelente em todas as [suas] actividades». Sem «empresas rentáveis», argumentou, «não há crescimento económico». «A nossa única hipótese de sobreviver depende da capacidade das nossas empresas de se internacionalizarem e de ganharem competitividade à escala nacional. Acredito na força da identidade portuguesa. Seremos capazes, todos juntos, de voltar a dobrar o Cabo Bojador», concluiu.

Lusa/SOL, 21 de junho de 2012. 

Publicado: Quinta, 21 Junho, 2012

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter