AIPA

Crise levou mais de 23 mil portugueses a emigrar

No ano passado, o número de portugueses que procurou melhores condições de vida fora de Portugal foi o segundo maior da década.

No ano passado, por cada português que saiu do País à procura de trabalho, houve um estrangeiro que chegou com o mesmo objectivo. Um ano antes, o rácio era de dois imigrantes por cada emigrante. E se é certo que há cada vez mais pessoas a tentar a sorte lá fora, em 2010 houve mesmo uma quebra recorde no número de imigrantes que vieram para Portugal. A crise explica as quebras passadas e dita a tendência futura. Nos próximos anos, marcados pela austeridade e pela falta de postos de trabalho, dificilmente o País conseguirá atrair mais imigrantes e evitar um aumento da emigração, sobretudo entre os mais jovens e com maiores qualificações. Em 2010, entraram em Portugal 27.575 imigrantes, de acordo com os dados publicados ontem pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), referentes à população residente e que indicam uma quebra de 734 indivíduos para 10.636979, o primeiro recuo desde 2002. É o fluxo de entradas mais baixo da última década, pelo menos. Em sentido contrário seguem os números da emigração: no ano passado, saíram 23.760 pessoas do país, em busca de melhores oportunidades lá fora. É o segundo maior fluxo desde o início do milénio - superado apenas pelas 26.800 saídas registadas em 2007. Alexandre Abreu, investigador do Centro de Estudos Demográficos da Universidade de Lisboa, explica que "os movimentos migratórios tendem a autoregular-se de forma pró-cíclica", pelo que "numa conjuntura económica desfavorável, em que não há trabalho, é natural que a tendência imigratória seja diminuir".

Diário Económico, 8 de Junho de 2011.

Publicado: Quarta, 08 Junho, 2011

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter