AIPA

Imigrantes aumentam remessas e despertam 'apetÍncia da banca

n√ļmero crescente de trabalhadores estrangeiros em Portugal tem gerado muitos milh√Ķes de euros de poupan√ßas, enviados todos os anos para os seus pa√≠ses. A banca descobriu recentemente o "fil√£o", criando para este novo segmento de mercado servi√ßos e produtos adequados a clientes com grande apet√™ncia para a poupan√ßa. E n√£o procura apenas servir de intermedi√°rio nas suas transfer√™ncias, mas tamb√©m cativ√°-los para uma rela√ß√£o banc√°ria a m√©dio e longo prazo. Entre 2000 e 2004, o envio de remessas de imigrantes para fora de Portugal cresceu 138%, atingindo os 450,6 milh√Ķes de euros em 2004, de acordo com os dados do Banco de Portugal. O ano recorde foi 2002, quando o total transferido atingiu 572 milh√Ķes de euros, tendo diminu√≠do para 432 milh√Ķes em 2003, reflexo da crise econ√≥mica. No ano passado, estas remessas cresceram ligeiramente, mais 6,2% que no ano anterior. Esta nova realidade contrasta com a redu√ß√£o no envio de remessas dos emigrantes portugueses, uma altera√ß√£o que reflecte o actual retrato das comunidades portuguesas fora do pa√≠s, onde a segunda gera√ß√£o de emigrantes n√£o tem como prioridade o envio de poupan√ßas para Portugal. Entre 2000 e 2004, as remessas de emigrantes ca√≠ram cerca de 30%, passando de 3,4 mil milh√Ķes de euros para 2,4 mil milh√Ķes no ano passado. Em 2004, verificou-se uma estagna√ß√£o face ao ano anterior. Actualmente, os brasileiros s√£o os estrangeiros a trabalhar em Portugal que mais dinheiro enviam para o seu pa√≠s. Dos 450 milh√Ķes de euros enviados em 2004, quase metade (208 milh√Ķes) pertenceu √† comunidade brasileira, um crescimento de 23,4% face ao ano anterior. Em segundo lugar surgem, a grande dist√Ęncia, os ucranianos, com as suas remessas a totalizarem 63 milh√Ķes de euros e a ca√≠rem 62,7% face ao ano de 2002, quando atingiram o valor recorde de 169 milh√Ķes de euros. Quanto aos portugueses residentes no estrangeiro, Fran√ßa √© o pa√≠s de onde prov√©m o maior volume, 934 milh√Ķes de euros em 2004, seguido da Su√≠√ßa (629 milh√Ķes) e dos Estados Unidos (372 milh√Ķes). BANCA J√Ā TEM RESPOSTA. A mudan√ßa estrutural de que Portugal est√° sendo alvo - deixando de ser um pa√≠s de emigra√ß√£o para passar a ser um destino de imigra√ß√£o - levou a banca portuguesa a acompanhar o fen√≥meno, criando uma oferta especial para este segmento. Se, numa primeira fase, a preocupa√ß√£o central consistia em oferecer um servi√ßo de transfer√™ncia de dinheiro, o leque de produtos foi-se alargando e actualmente alguns bancos portugueses (e estrangeiros a actuar no nosso mercado) est√£o j√° a oferecer produtos que visam fidelizar clientes e lev√°-los arriarem uma rela√ß√£o banc√°ria duradoura. √Č caso do Millennium bcp, que, h√° cerca de um ano, criou a Conta Passaporte, uma conta √† ordem sem despesas de manuten√ß√£o, com uma s√©rie de servi√ßos associados. Como o banco explica, o produto tem como objectivo estabelecer uma rela√ß√£o regular com esta base de clientes, onde o Millennium bcp afirma possuir uma quota global de 25% na popula√ß√£o estrangeira. A Caixa Geral de Dep√≥sitos criou um servi√ßo destinado aos imigrantes. Alem do servi√ßo de transferencias e da cria√ß√£o de contas especiais, a Caixa possui uma ag√™ncia dedicada aos cidad√£os estrangeiros, instalada no Centro Nacional de Apoio ao Imigrante (CNAI). O Banco Esp√≠rito Santo, por seu lado, embora sem uma oferta espec√≠fica para imigrantes, tem um servi√ßo de remessas e vai lan√ßar em breve um novo produto nesta √°rea, em parceria com bancos nos pa√≠ses de origem. UM CASO DE SUCESSO. Mas o fen√≥meno mais curioso, no que respeita √† oferta banc√°ria, √© protagonizado pelo Banco do Brasil. Em 2002, a pequena sucursal daquele banco brasileiro percebeu o potencial de neg√≥cio que a crescente comunidade de cidad√£os do seu pa√≠s representava e iniciou a sua expans√£o. O resultado est√° √† vista: com 1800 clientes em 2002, o Banco do Brasil saltou para os 25 mil clientes em 2003, devendo chegar ao final de 2005 com cerca de 50 mil, como revelou ao DN o seu administrador Paulo Nacif Jorge. O seu produto de sucesso come√ßou por ser o BB Remessas, um servi√ßo de transfer√™ncias, mas neste momento o banco j√° oferece uma s√©rie de outros produtos, que v√£o desde cr√©dito ao consumo e cart√Ķes ate contas aprazo. "O nosso relacionamento com o cliente √© integral", refere aquele respons√°vel, acrescentando que os portugueses com v√≠nculo ao Brasil tamb√©m os procuram. Actualmente, o banco tem duas ag√™ncias em Portugal e tr√™s pontos de atendimento. At√© final de 2006, quer abrir mais cinco ag√™ncias, "indo ao encontro dos brasileiros em Portugal". Com esta expans√£o, o banco pretende acabar com o congestionamento da sua ag√™ncia em Lisboa, Marqu√™s de Pombal, que, no final de cada m√™s faz confundir aquele local com qualquer rua de uma cidade brasileira.

Publicado: Segunda, 24 Outubro, 2005

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter