AIPA

Imigração ilegal ainda é um problema

A crise e a instabilidade económica do País acentuam o problema da emigração não documentada. A burocracia que envolve o processo de legalização é um dos problemas.

"A burocracia é ainda um problema e, não obstante das melhorias introduzidas no quadro legal, a imigração ainda é percepcionada com uma dimensão policial e repressiva ainda significativa", afirma o presidente da direcção da Associação dos Imigrantes nos Açores (AIPA). Facto este, que se complica nesta altura de "crise que nós estamos a atravessar", "ou seja, por insuficiência de rendimentos são muitos os imigrantes que não conseguem renovar os seus títulos de residência".

 Os números dos imigrantes em situação de irregularidade poderão estar entre os 5 e os 10%. "Por isso, não será exagero afirmar que a burocracia mina qualquer tentativa de integração". Sublinhando novamente, a "necessidade do envolvimento das pessoas no processo de integração dos imigrantes", Paulo Mendes diz que "o papel que a sociedade pode desempenhar assume muita relevância, em particular, na época que nós estamos a atravessar".

As comunidades de imigrantes são muitas vezes vistas, de uma forma discriminadora, como trabalhadores de construção civil. Paulo Mendes explica que "quando olhamos com atenção para as comunidades de imigrantes e, em especial a comunidade africana, veremos que estão presentes na cultura, no desporto e, claro, nas actividades mais expectáveis, como a construção civil, pescas e serviços. Mas, também, há um outro dado interessante que é a inserção dos imigrantes, ainda que com menor peso estatístico, em áreas de maior valorização social". "Na verdade, e quando comparamos a comunidade africana com outras, os dados apontam para um maior défice de escolaridade e de um peso relativo maior de inserção em áreas de menor valorização da escolaridade", explica. Contudo, "prevalece uma heterogeneidade muito interessante em termos de inserção dos imigrantes africanos. Temos das diferentes ilhas imigrantes, africanos médicos, gestores, académicos...". "O importante é criar condições no sentido de potenciar todas as mais-valias inerentes ao fenómeno das migrações". "A Região conheceu nos últimos anos um desenvolvimento assinalável e em diferentes áreas, com especial realce na criação de infra-estruturas. No entanto, estamos numa fase em que a dinâmica de desenvolvimento será mais lento e, possivelmente com resultados menos imediatos. Será uma fase em que as pessoas terão de assumir um papel central e não desenvolvimento sem as pessoas. No campo das migrações, estou absolutamente convencido que os imigrantes podem desempenhar ainda um papel mais activo no desenvolvimento da Região", sublinha Paulo Mendes.

Migrações estabelecem pontes culturais

"Um dos vários desafios que as migrações acarretam tem justamente a ver com o estabelecimento de pontes culturais, no sentido de permitir que quem chegue vivencie a cultura da sociedade de acolhimento mas também da parte de quem recebe esteja disponível para conhecer o outro. Há ainda muito boa gente que rotula as pessoas em função da cor da pele. Agora tenho a noção de que hoje estamos perante uma sociedade açoriana mais aberta, mais pré-disposta a conhecer o outro e a ideia é aproveitarmos esta abertura para fomentar uma maior valorização da diversidade e uma sociedade onde o preconceito não tenha lugar. É um trabalho contínuo e apesar de ser desagradável falar no racismo não podemos fingir que o fenómeno não existe", diz o presidente da AIPA.

Expresso das Nove, Rita Ribeiro, 8 de Abril de 2011.

Publicado: Sexta, 08 Abril, 2011

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter