AIPA

Apresentação Livro: Vivências e Trajectórias de Mulheres Imigrantes em Portugal

No âmbito das suas actividades de edição e divulgação, no próximo dia 23 de Setembro o SOS Racismo organiza em Lisboa uma sessão de apresentação do livro recentemente publicado Imigração e Etnicidade - Vivências e Trajectórias de Mulheres em Portugal, que reúne contributos de um conjunto diversificado de investigadores que se têm dedicado ao estudo de diferentes dimensões da problemática da imigração numa perspectiva de género. A apresentação do livro contará com a presença de algumas das autoras: Marisa Gonçalves e Alexandra Figueiredo (investigadoras do Socius-ISEG/UTL) Sara Duarte (socióloga, Observatório das Actividades Culturais), Maria Abranches (investigadora do CIES/ISCTE) e Liliana Azevedo (SOS Racismo). 23 de Setembro de 2005, sexta-feira - 18.30h FNAC do Chiado - Lisboa Imigração e Etnicidade - Vivências e Trajectórias de Mulheres em Portugal VV.AA. SOS Racismo, 2005 Sobre o livro "Quantas mulheres podem habitar uma mulher enquanto esta se desloca no território da imigração? Trabalhadora qualificada, trabalhadora sem qualificações, trabalhadora do sexo, operária nas fábricas, mulher a dias, empregada de mesa, empregada de balcão, militante pelos direitos humanos em organizações de imigrantes, professoras, advogadas, cidadã com documentos, cidadã sem documentos, mãe. Quantas confissões pode ter uma mulher? Religiões tradicionais, católica, ortodoxas, muçulmana, evangélicas, sem religião. Quantas orientações sexuais pode ter uma mulher? Heterossexual, bissexual, lésbica. Quantas nacionalidades, condições étnicas e culturais o corpo de uma mulher pode construir e suportar? Cigana, eslava, russa, ucraniana, croata, brasileira, africana, guineense, moçambicana, angolana, paquistanesa, indiana. São muitas as condições no feminino e estão em constante construção. Imigração e etnicidade - vivências e trajectórias de mulheres em Portugal apresentado agora a público pelo SOS Racismo faz um recorte nas realidades das vivências no feminino e analisa a situação da mulher na condição do seu deslocamento no território da imigração (essa terra de ninguém e de todos e todas ao mesmo tempo) e reflecte sobre os encontros e desencontros étnicos porque, assim como são várias as realidades, as mulheres também são muitas." (in "Introdução - Mulheres em Movimento", por Carlos Alvarenga) Inf: www.oi.acime.gov.pt

Publicado: Quarta, 21 Setembro, 2005

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter