AIPA

Sistema social helvético se beneficia com imigração

Os estrangeiros na Suíça, frequentemente acusados de abusar do sistema de seguro social, se beneficiam na realidade menos do que os suíços do Estado. Segundo a Caritas (organização de caridade católica), 26,6% dos montantes do fundo da previdência e do seguro-invalidez vêm da contribuição de trabalhadores estrangeiros, enquanto que apenas 17,9% dos fundos são destinados a esse grupo. O fato dos migrantes serem proporcionalmente mais numerosos no seguro-desemprego e no seguro invalidez (AI, na sigla em francês) explicar-se-ia, segundo a Caritas através do seu comunicado publicado na quinta-feira (17/03), pelo fato de praticarem as profissões mais duras para a saúde e terem acesso mais difícil ao mercado de trabalho. Porém contrariamente aos preconceitos, eles estão longe provocar um buraco no caixa dos serviços de seguro social: para a AI, os estrangeiros pagam 26,7% dos montantes, mas recebem prestações na base de 25,5%, escreve Caritas.

Retorno ao país

No que toca a AVS (o fundo de previdência na Suíça), os migrantes recebem também menos do que contribuem. Apenas 22% recebem uma aposentadoria integral. Além disso, três quartos dos beneficiários que têm um passaporte da União Europeia retornam aos seus países e não podem mais valer seus direitos às prestações complementares da AVS ou à ajuda social. O sistema de seguro de saúde também "ganha", segundo a Caritas, pois um grande número de estrangeiros retorna aos seus países quando estão aposentados. Razão: os custos financeiros da última fase da vida de uma pessoa representam cerca de um terço dos custos totais da saúde na Suíça.

Menos benefícios da formação

Caritas ressalta também que os migrantes pagam impostos e encargos sociais. Porém "eles não se beneficiam também no momento de recolher os frutos da sua participação", escreve. Proporcionalmente aos suíços, os migrantes aproveitam menos das universidades, das escolas politécnicas ou da formação contínua. Para os serviços sociais, o efeito global da migração e do Estado social é positivo. Pois a longo termo outros critérios como o nível de formação tem precedência sobre o da nacionalidade. Caritas observa também que a força de trabalho oriunda da Europa é cada vez mais qualificada. A proporção de estrangeiros na Suíça chega a 22% da população.

18 de Março de 2011, SwissInfo.ch

Publicado: Sexta, 18 Maro, 2011

Retroceder

Associe-se a nós AIPA

Agenda

Subscreva a nossa newsletter